.mail


falarparadentro@sapo.pt

.posts recentes

. Alguém se lembra do ébola...

. Forever Young

. Espécie de Kipling de Set...

. Da emoção e isso

. Colheitas e consumos

. Do verbo arriscar

. Espera aí que no fim do m...

. Desabafo de pastelaria

. Levanta-se a onda

. Falar bem da terra

.arquivos

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Janeiro 2011

. Outubro 2009

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

Add to Technorati Favorites
Domingo, 7 de Outubro de 2007

Desordem do Dia


Mãe Portuguesa Responsável

Tenho-me cruzado com o anúncio um pouco por toda a cidade de Lisboa: Mãe Portuguesa Responsável Toma Conta de Crianças. Sim, isso. Mãe. Portuguesa. Responsável. Toma Conta de Crianças. A condição de mãe e a nacionalidade da mãe começam a contar no negócio do babysitting. Não é mãe alemã, moçambicana, ucraniana, chinesa ou palestiniana. É mãe portuguesa.  Fiquei esclarecido em relação à disponibilidade da senhora - não se importa de trabalhar de dia ou de noite, em feriados ou ao fim-de-semana. Só ficou mesmo uma perguntinha a zumbir cá dentro, como uma mosca num snack de província: o que é isso de "mãe portuguesa responsável"?

Cozinhas preciosas

O meu problema com a ASAE não é o objectivo: em boa hora veio do céu uma autoridade para higienizar as cozinhas sujas do meu país. O meu problema com a ASAE é a forma. O  protagonismo excessivo. O facto de aparecer demasiadas vezes nas notícias com a sua capa justiceira. Ponhamos as coisas desta forma: se a ASAE fosse um super-herói era o Super Higiénico. E o Super Higiénico pode ser uma figura um bocadinho irritante. Esta semana, a ASAE entrou no território das cantinas hospitalares e fez eco disso. Há quem considere o gesto pouco excessivo. Por mim, até podem fechar tudo. Só não fechem as cozinhas das nossas avós.

O mais português

 Entre Marques Mendes e Luís Filipe Menezes, o povo laranja escolheu Menezes. O que, se virmos bem, faz todo o sentido: durante a campanha, os comentadores fartaram-se de repetir que "o PSD é o partido mais português de Portugal". Menezes é mais português do que Mendes. É mais romântico, mais inconsequente, mais apaixonado, mais arrependido. Mas Menezes tornou-se ainda mais português depois da eleição. Ao decidir que, apesar de assumir a presidência do PSD, não vai deixar a Câmara de Gaia, encarnou ainda mais o coração da nacionalidade. É como se dissesse: eu bem posso ter esta aventura extra-conjugal que não vou abandonar o conforto do lar. Um gesto comodamente lusitano.

Camacho e Santos

A ideia acompanha-me há um tempo: José António Camacho tem ar de empregado de mesa de restaurante galego. Imagino-o de calças negras e camisa branca, a servir às mesas com o ar distante de quem acha que o cliente nem sempre tem razão.  Sim, os analistas  fizeram questão de destacar: no banco ou fora dele, exibe o ar valente que Fernando Santos nunca exibiu. Agora, mesmo numa situação difícl no Benfica, o espanhol mantém o semblante duro de quem tem de servir uma imperial às mesas e não lhe apetece. Ou seja: por fora, Camacho está igual. Santos, esse, mudou, com certeza, de cara. Aliás, com a crise de resultados do Benfica, Fernando Santos, o angustiado, já se deve ter rido pelo menos uma vez.

(crónicas  que passaram no "Visita Guiada", programa das manhãs de fim-de-semana do Rádio Clube Português)
publicado por Nuno Costa Santos às 23:17
link do post | favorito

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.favorito

. Solitude standing

. God is not dead

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds